Vigília da Educação Pública Brasileira


O Comando Unificado de Mobilização Estudantil UESPI/UFPI, junto aos professores realizaram mais um ato em prol da educação pública. Ontem (24/08/2012) às 17 horas, foram fixados 100 cruzes ao balão do mirante, que fica no cruzamento das av. Pinheiro Machado e São Sebastião, como forma simbólica para representar a morte da educação pública brasileira. O local foi batizado como o “Cemitério da educação, aqui se enterra os sonhos”. Dando continuidade ao ato, foram realizados tarefas de panfletagem com os informes do porquê estamos em greve, para esclarecer a população o verdadeiro motivo da greve nas universidades, tanto da UESPI como da UFPI, assim como o apoio dos estudantes a essa luta.


A Universidade Pública Brasileira sofre um profundo processo de desmonte, decorrente da redução gradativa das verbas para educação, o fato é que para o governo a educação pública de qualidade não é prioridade. Nosso dinheiro público tem servido entre outras coisas para financiar PROUNI e FIES, ou seja, dinheiro público investido nas empresas privadas que geram lucros com este tipo de financiamento e ofertam formação profissional a quem tiver dinheiro para pagar. Esta realidade é pública e notória por todo o Brasil, divulgada amplamente pelos meios de comunicação de massa, TV, rádio, internet, jornais, etc.


Na realidade, educação, saúde, previdência, entre outros meios mínimos necessários para a produção material da existência humana, tem deixado de ser um direito humano fundamental, para tornar-se um serviço, uma mercadoria a ser consumida por quem pode pagar. Entretanto, em uma sociedade desigual como a nossa, perguntamos, será que todos possuem igualmente condições para pagar? Seria esta mesma a melhor via de acesso ao ensino ou a saúde, por exemplo?


Acreditamos que não! Nestes termos, é que os estudantes mobilizados, junto aos professores, colocam-se na contra-corrente desse criminoso e vergonhoso ato de sucateamento que as Universidades Públicas Brasileiras vem sendo vítimas.


Posto que, nas Universidades Públicas do Piauí esta triste realidade também é vivenciada por alunos, professores e servidores! É que nós do Comando Unificado de Mobilização Estudantil UESPI/UFPI, que sofremos um processo intenso de precarização, visto em todos os campis, tanto da UESPI como da UFPI com: a falta de assistência estudantil mínima, bibliotecas sucateadas, faltas de livros novos e atualizadas, salas de aulas precárias, faltas de professores qualificados, falta de laboratórios, falta de pesquisa e extensão.


Tendo em vista tais problemas, e sendo cientes de sermos sujeitos de transformação social, capazes de critica e reflexivamente articular a luta política por aquilo que concebemos como sendo o melhor para nossas UNIVERSIDADES, resolvemos coletivamente com significativa participação dos estudantes, tanto da Universidade Estadual do Piauí como da Universidade Federal do Piauí apoiar os professores no movimento GREVISTA.


Esperamos que esse documento seja entendido como um convite à luta pela defesa radical de uma educação pública, gratuita e de qualidade nas Universidades Públicas. Contamos com sua colaboração e seu entendimento.







Comando Unificado de Mobilização dos Estudantes UESPI/UFPI
Fotos: Gilson Brito - Acesso343
COMPARTILHAR:

+1