publicidade

publicidade

Agricultores realizam II Marcha do Grito do Semiárido‏


Além da caminhada, haverá uma audiência pública com os gestores do Estado, no Centro Diocesano de Picos.

Insatisfeitos com as medidas emergenciais tomadas por órgãos que atuam no enfrentamento da seca no Piauí, agricultores e agricultoras e entidades da sociedade civil vão às ruas no dia 31 de outubro de 2012, no município de Picos, para exigir do Governo medidas estruturantes para a convivência com o semiárido.

Além da caminhada, haverá uma audiência pública com os gestores do Estado, no Centro Diocesano de Picos. O objetivo é encaminhar ações de enfrentamento aos efeitos da seca, já propostas na primeira audiência realizada em São Raimundo Nonato, em agosto deste ano.

São aguardadas cerca de 1500 pessoas para o ato público. Os manifestantes irão se concentrar na Praça Félix Pacheco, a partir das 6h da manhã. De lá a marcha segue para o Centro de Treinamento Diocesano, onde será realizada a audiência pública às 10h.

Cerca de um milhão de pessoas vive no semiárido piauiense. Dados da Defesa Civil apontam que 184 dos 224 municípios do Estado estão em situação de emergência. “As cidades mais atingidas foram Oeiras, São Raimundo Nonato, Picos, Simões, Simplício Mendes. A perda da produção de alimentos é estimada em 85%”, afirmaCarlos Humberto Campos, coordenador do Fórum Piauiense de Convivência com o Semiárido.

I Grito do Semiárido

No dia 03 de agosto, no município de São Raimundo Nonato, mais de mil pessoas de 22 municípios da região sul do Estado participaram da I Marcha do Grito do Semiárido. Além da insatisfação com a falta de apoio governamental após longos meses de seca, os trabalhadores e trabalhadoras rurais trouxeram no peito a marca da indignação.

“Os últimos meses têm sido de muito sacrifico. Nós cobramos que o governo tenha bons olhos e enxergue as necessidades do povo, fazendo alguma coisa em benefício da população que está sofrendo”, ressalta o agricultor de São Raimundo, Nonato Félix Neres, 80 anos.

As entidades que compõem o Fórum Piauiense de Convivência com o Semiárido juntamente com as famílias agricultoras têm discutido soluções para o enfrentamento da seca. Por se tratar de um fenômeno climático natural da região, há a necessidade da efetivação de ações para a convivência com a região semiárida.

“O grito serve para dizer aos poderes instituídos do município, do Estado e também do governo federal que por mais que se estejam encaminhando ações emergenciais e compensatórias do problema da seca, há de haver ainda um relacionamento, uma interface das várias políticas e serviços públicos que se façam chegar às famílias em tempo hábil, com efetividade”, pontua o coordenador da Cáritas Diocesana de São Raimundo Nonato, Hildebrando Pires.

Por Paula Andréas
COMPARTILHAR:

+1

Música do Dia