publicidade

publicidade

Mauro Ruben: cinco anos de ausência

Jânio Holanda - Jornalista
Em agosto próximo passado completaram-se cinco anos do falecimento do amigo jornalista Mauro Ruben Trindade, que veio a óbito em decorrência de um mal súbito conhecido na medicina como infarto do miocárdio ocorrido dentro do próprio local de Trabalho. Mauro era além de colega de profissão. Um amigo respeitado pela competência e seriedade com que exercia seus afazeres.

Ciente de saber que não sou a pessoa adequada para fazer comentários aprofundados sobre a sua passagem aqui na terra, neste pequeno espaço deixarei minha mensagem de saudade. Trabalhamos juntos - lado a lado - durante sete anos na Assessoria de Comunicação Social & Marketing do Sistema FIEPI. Nesse período, orgulhava-me de tê-lo como parceiro na divisão das tarefas inerentes ao nosso mister.

Mauro era uma pessoa tranquila, competente, além de ser bastante comprometida e zelosa com o trabalho. Com ele, aprendi os meandros da profissão, principalmente na produção de textos e releases. Como exemplo posso citar a conquista do Prêmio de Reportagem Paulo de Tarso, instituído, pela prefeitura municipal de Teresina. Juntos, e contando também com o talento do colega Walter Costa ganhamos a premiação por duas vezes consecutivas.

No entanto, ressentia-me por nunca poder imitar aquele vozeirão que Deus lhe concedeu. Locutor, apresentador e cerimonialista de mão cheia, Mauro tinha espírito observador e trabalhava sem o intuito de aparecer. Até porque já tinha o nome consagrado nos meios de comunicação local.

Nos seus últimos dias de vida ainda tive o privilégio de estar com ele fazendo dobradinha na cobertura de um evento promovido pelo SESI, na cidade de Picos. Satisfeito com o sucesso do trabalho realizado na abertura da programação fomos comemorar, comendo o tradicional “Bode Assado” da região, ao lado do amigo Bernardo, então coordenador da área de esportes e lazer da unidade do SESI de Picos e também da Luiza, ex-colaboradora da entidade.

Aquele foi o penúltimo dia que estivemos juntos, pois no dia seguinte ele embarcou para Teresina e eu fiquei na cidade para continuar cobrindo os trabalhos do evento que se estenderia por toda a semana. Mauro era daqueles que se esmerava nos preparativos de uma solenidade e, enquanto a cerimônia não começava, os seus nervos iam a mil.

Certo ou errado era aqueles o seu jeito. Naquele dia fatídico ele estava empenhado na organização de um grandioso evento que o SESI promove anualmente: a Ação Global. No dia que sofreu o infarto fatal estava no local de trabalho, organizando uma videoconferência. Ele estava muito entusiasmado, relembra os colegas.

Depois disso, nunca mais o vi, no entanto, tenho feitos preces e rogado a Deus para o seu conforto eterno. Portanto, acredito que o exemplo de vida do companheiro Mauro seja combustível para impulsionar ainda mais a luta em defesa da nossa profissão, que às vezes se torna exaustiva. Com isso quero solidarizar-me com seus parentes e amigos por esta perda, que nos deixou muitas saudades.

Jânio Holanda – Jornalista  
COMPARTILHAR:

+1

Música do Dia