publicidade

publicidade

Arbitragem do Piauí: fraca!


Há muitos anos a arbitragem que atua no futebol profissional do Piauí vem se mostrando uma das mais “fracas” do Brasil comparando-a com o quadro de árbitros de outras federações. A falta de uma preparação adequada e o não comprometimento exclusivo com a profissão são as principais causas dessas más atuações.

Sabemos que tudo nessa vida evolui, e o futebol piauiense não foi diferente, tendo em vista que nesse ano de 2013 a principal competição realizada pela Federação de Futebol do Piauí (FFP), o Campeonato Piauiense de Futebol, teve uma boa melhoria quando comparado há outros anos. A organização, a visibilidade, o comprometimento por parte dos clubes, e os prêmios para o torcedor, foram as principais evoluções que o estadual teve nessa temporada – “mas nem tudo são flores”. Ao contrário de tudo que ta acontecendo de bom no piauiense de futebol desse ano, o setor de árbitros vem ficando e ficou mais uma vez pra trás. Pois enquanto a maioria dos dirigentes dos times que disputam o certame reconhece e elogia as condições que a FFP está disponibilizando para os mesmos para a boa realização da competição, ainda criticam e com razão a arbitragem do estado do Piauí.

Muitos torcedores e formadores de opiniões sobre o futebol veem os árbitros piauienses com um péssimo preparo físico, e isso é fato. A reclamação maior vem das laterais de campo, pois existem muitos bandeirinhas que fazem parte desse quadro, que possuem o famoso “buxinho”, não permitindo assim um maior acompanhamento na jogada. Valendo ressaltar que os bandeirinhas em uma partida são muito importantes, tendo vista que um erro dos mesmos pode modificar de forma direta no resultado final de um jogo. Mas se a deficiência fosse somente com os assistentes, se daria um jeito, mas o que infelizmente acontece de fato é que os erros grosseiros vêm principalmente daqueles que carregam o apito, os árbitros principais.

Muitos exemplos de más marcações vêm vindo à tona com os registros fotográficos do Acesso 343, que só nesse campeonato já registrou vários erros cruciais cometidos pelos árbitros do Piauí. O gol do Parnahyba contra o Corisabbá pela qual teve um desvio de mão do zagueiro Gilmar Baiano, o pênalti marcado incorretamente em cima do atacante Fabinho do azulino no jogo contra o 4 de Julho e a penalidade não marcada em cima do atacante Zé Rodrigues também do Tubarão do Litoral em partida contra o Piauí foram uma das principais marcações erradas registradas pelo repórter Kairo Amaral.

Outro fator que contribui muito na não evolução da arbitragem no Piauí é o não comprometimento exclusivo com a profissão de árbitro. Pois existem muitos juízes, bandeirinhas e outros que fazem parte do quadro de arbitragem no nosso estado que além de exercer essa profissão, desempenham outras paralelamente. E isso de uma forma indireta pode atrapalhar na preparação dos indivíduos, que tentam ter um bom desempenho dentro das “quatro linhas”, mas devido exercerem outras profissões não conseguem se organizar exclusivamente para essa função.

Dessa forma se não houver uma preparação adequada, tanto técnica como física, e um maior comprometimento por parte desses profissionais, será muito difícil noticiarmos que a arbitragem piauiense evoluiu. Enquanto isso não acontece temos que relatar o que de fato é verdade. E infelizmente continuaremos a presenciar erros grosseiros daqueles que “comandam” o nosso futebol.

Por Gilson Brito
COMPARTILHAR:

+1

Música do Dia