Cônsul norte americano conhece Justiça Itinerante‏

O Cônsul Administrativo dos Estados Unidos, Gregory Holliday, do Consulado de Recife (PE), informado da experiência da Justiça Itinerante do Piauí, órgão integrante do Judiciário piauiense, demonstrou interesse em conhecê-la e, na manhã de hoje, 08.05, às 11:30 horas, visitou a sua sede, acompanhado de sua comitiva, oportunidade em que se inteirou de suas atividades, após conversar, demoradamente, com os servidores e, especialmente, com o Desembargador Edvaldo Pereira de Moura, seu Supervisor. A visita contou também com a presença da Juíza Zilnar Coutinho Leal, representando a Associação dos Magistrados Piauienses, e da Dra. Rosa Sena, representante da Comissão dos Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil - Secção Piauí, que recentemente firmou parceria com o projeto Justiça Itinerante.

Depois de ouvir relato circunstanciado sobre as realizações da Justiça Itinerante, relacionadas com o julgamento de conflitos e a prestação dos mais variados tipos de serviços, através de seus entusiastas parceiros, como o Ministério Publico, a Defensoria Pública, a Comissão de Direitos Humanos da OAB, o TRE, o SEBRAE, o SESI, o INSS, o LACEN, o BIOGENETICS, a Secretaria Municipal de Assistência Social de Teresina, a Secretaria Estadual de Segurança Pública, a Secretaria Estadual de Assistência Social, as prefeituras municipais, ficou visivelmente impressionado com a dinâmica e o alcance desse novo paradigma de Justiça, hoje tido como exemplo modelar para vários estados da Federação, em que se apoiou o Conselheiro Paulo Tamborini, do CNJ, que o levou para o Morro do Alemão e para outras favelas da cidade maravilhosa.


Durante a informal troca de ideias, o Desembargador Edvaldo Moura fez uma síntese da história da Justiça Itinerante, explicando sua instituíção no Piauí, na gestão do Desembargador João Menezes da Silva, com o propósito de aproximar a Justiça dos seus jurisdicionados, levando cidadania às populações mais desassistidas dos bairros periféricos da Capital e de cidades do interior do Estado, das mais próximas as mais longínquas, contanto, no momento, entre processos julgados e serviços outros prestados aos seus destinatários, com 449.004 atendimentos.

Recentemente, segundo o Desembargador Edvaldo Moura, a Justiça Itinerante abraçou outra iniciativa, instituindo o Projeto “Eu Tenho Pai”, idealizado pelo CNJ, já tendo atendido, em curto espaço de tempo, a mais 1.000 crianças que, através da Defensoria Pública, requereram que os seus verdadeiros pais os reconhecessem, voluntariamente ou não.

Ascom TJ/PI

COMPARTILHAR:

+1