Greve dos rodoviários e luta contra o aumento das passagens


Os trabalhadores rodoviários de Teresina estão em campanha salarial. Assim como a grande maioria da população teresinense, os motoristas e cobradores de ônibus sofrem no dia a dia para sobreviver com salários baixíssimos, que estão corroídos pela inflação gerada pela política econômica do governo Dilma (PT), ditada pelos países mais ricos do mundo. Mesmo com grande arrocho salarial, a categoria rodoviária reivindica apenas 15% de reajuste, mas os empresários, cada vez mais ricos, oferecem muito menos que isso: 8,5%. Devido a intransigência da patronal (ligada ao Setut), já há previsão de greve dos rodoviários para a próxima segunda-feira.

O prefeito Firmino Filho (PSDB) tem feito declarações a imprensa afirmando que o Setut tem interesse na greve dos rodoviários, para querer forçar novo reajuste da passagem de ônibus em Teresina, que é caríssima tendo em vista a péssima qualidade dos serviços e dos curtos trajetos das linhas municipais. Desta forma, o prefeito quer jogar a população contra a luta dos motoristas e trocadores de ônibus por melhores salários e condições de trabalho, ao mesmo tempo em que faz jogo de cena para parecer independente das empresas de ônibus que há duas décadas vem sendo beneficiadas pelos governos do PSDB.

Firmino, no entanto, está preparando a farra dos empresários, às custas do sufoco da população teresinense. Ele inclusive já anunciou que aumentará a tarifa assim que fizer o processo de licitação para concessão das empresas privadas para atuarem em Teresina. Ou seja, se no ano passado o ex-prefeito Elmano Ferrer (PTB) usou a desculpa de uma falsa integração para enganar o povo e aumentar a passagem, agora Firmino quer usar a desculpa da licitação para aumentar ainda mais os lucros dos empresários.

A licitação não resolverá o problema do caos do transporte público em Teresina. Na verdade, no máximo, vai tirar a concessão de uma empresa, para entregá-la a outra. É preciso, na verdade, atacar o lucro do Setut e garantir, de imediato, salário digno para os trabalhadores rodoviários, ao mesmo tempo em que se congela o preço da passagem. Mas é preciso ir além disso. É necessário que a prefeitura de Teresina rompa os contratos com o Setut e crie uma companhia municipal de transporte público. Desta forma, com a municipalização total da frota, será possível prestar serviço de melhor qualidade, com tarifa mais baixa, mesmo que o mísero reajuste de 15% nos salários dos trabalhadores rodoviários (tal qual a categoria reivindica) seja implementado.

O PSTU manifesta total apoio à luta da categoria rodoviária e conclama toda a população a ficar atenta contra qualquer tentativa de aumento da passagem de ônibus. Por isso, é importantíssima a rearticulação dos movimentos sociais em Teresina que fizeram a luta contra o aumento da passagem em 2011 e em 2012, para exigir a municipalização total da frota de ônibus, garantindo salários dignos aos rodoviários, melhores serviços à população, e passe-livre para estudantes e desempregados.

Direção Estadual do PSTU-PI  

COMPARTILHAR:

+1