Prefeito falta reunião para resolver problemas do trânsito, mas terá que assinar TAC


O prefeito Paulo Martins (PT) está sendo mais uma vez pressionado pelo Ministério Público para que trabalhe em prol da cidade. Depois da educação, agora o MP quer que o prefeito cuide do trânsito.

Por conta disso, foi realizada uma reunião na tarde de ontem (28) no Auditório da Secretaria Municipal de Educação com a participação dos promotores Cláudio Bastos e Cesário Cavalcante, de membros das igrejas católica, protestante e maçonaria, das delegadas Gabriela Moura e Ana Luiza, vereadores Neto dos Corredores e Carlos Torres, Advogado Ribamar Coelho e o presidente do Conselho Tutelar, Helano Lopes, além dos representantes da prefeitura, já que prefeito não compareceu.

Após a exposição da opinião dos participantes, ficou decidido que o petista terá que assinar e cumprir um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) elaborado após as discussões. Entre as clausulas, destaca-se a realização de um concurso para agente de trânsito em número que atenda a demanda do município. A lei para criação dos cargos deve ser enviada em no máximo 15 dias. O gestor terá ainda que implantar a Coordenadoria de Segurança de Trânsito e a Junta Administrativa de Recursos de Infração (JARI) dentro de 90 dias.

Alem disso, foi dado ao prefeito 180 dias para realizar uma revisão da sinalização atualmente existente nas vias públicas municipais. Realizar, ainda, campanhas de prevenção de acidentes de trânsito pelo menos duas vezes ao ano.

Em caso de descumprimento das obrigações estipuladas acima, o município pagará multa de R$ 50 mil reais e o prefeito Paulo Martins será penalizado em R$ 20 mil reais.

Por Weslley Paz

COMPARTILHAR:

+1