publicidade

publicidade

Vereadores aprovam projeto que reduz salário dos professores em Campo Maior


É que ontem (08/05) os vereadores da base do prefeito Paulo Martins (PT) aprovaram três projetos bastantes polêmicos encaminhados pelo executivo.

O primeiro foi autorizando o empréstimo de R$ 8 milhões de reais, o segundo reduzindo o salário dos professores Classe A 20h que entraram no concurso de 2012 de R$ 979 como estabelece a tabela de pagamento do município baseada no piso nacional para R$ 738 e reduzindo também assim dos professores Classe B 20h gerando muito tumulto e por fim, aproveitando-se de toda a confusão, os aliados emplacaram o projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias sem nenhuma discussão.

De acordo com os vereadores de oposição, Neto dos Corredores, Sena Rosa, Paiva e João Maroca a forma que os projetos foram aprovados desrespeita o Regimento Interno. “Isso é uma ditadura”, afirmou Neto revoltado com a forma que o prefeito vem conduzindo a administração municipal e a falta de respeito com os vereadores. “A câmara virou uma sala da prefeitura, para o prefeito nós não temos função nenhuma”, disparou.

Os parlamentares vão entrar com um processo contra a Câmara Municipal de Campo Maior por descumprir o regimento da casa. Eles alegam que para ser votado os projetos precisariam ter o parecer das comissões.

Participaram da sessão os vereadores Luis Lima, Wildem Brito, Carlos Torres, José Pereira, Edvaldo Lima, Lustosa, Neto dos Corredores, Sena Rosa, João Maroca, Paiva.

SINDICATO DIZ QUE FOI TRAÍDO
O presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Campo Maior (SINDSERM), Edvar Rodrigues e a diretora financeira do Sindicato, Bernadete Silva, alegam que os professores foram traídos pelo prefeito e vereadores da base aliada com a aprovação da lei que tira direitos dos servidores, principalmente da categoria.

O prefeito alterou a lei de nº 015/10 que dispõe do Plano de Cargo e Carreira do Magistério do Município de Campo Maior. Com a nova redação, os professores que mudarem da Classe A para B só terão acréscimo de 15% em vez dos 30% no plano anterior e os professores que mudarem de B para C ou D só terão vantagem de 7% e não mais 8%. O mais grave, segundo o sindicato, é que na matriz de vencimento do plano anterior o professor 20h ganhava acima de 60% dos professores que tem 40h semanais e o novo texto reduz essa diferença 50%.

Por Weslley Paz  

COMPARTILHAR:

+1

Música do Dia