publicidade

publicidade

Conselho da Comunidade realiza Dia da Cidadania na Penitenciária Feminina da capital‏


O Conselho da Comunidade, vinculado à 2ª Vara Criminal de Teresina, através de seus membros titulares Dra. Maria da Conceição Bezerra Tenório, coordenadora do evento, padre João Paulo Carvalho e Silva, sr. Francisco Ribeiro de Carvalho, além de membros suplentes e pessoas voluntárias, realizou ontem, dia 18 de agosto, na Penitenciária Feminina da Capital, o Dia da Cidadania, com diversas atividades para as presas e seus familiares. Durante manhã e tarde, a partir das 8 horas, foram ministradas palavras de inspiração religiosa, pelo padre Valdir, Coordenador Nacional da Pastoral Carcerária, pelo Pastor Joel Ferreira, da Igreja Batista do Jóquei e pela Dra. Conceição Tenório, espírita, e realizadas apresentações musicais e teatral.

Também foi disponibilizado atendimento psicológico, de assistência social e jurídico, lições de beleza, relativas a cabelos e cosméticos, preparo de refeições e fornecimento de receitas, para as presas e seus familiares, tudo por meio de profissionais voluntários. No decorrer do evento, foram fornecidos lanche e almoço, sendo este uma feijoada, tudo também obtido através de contribuições voluntárias.

Participaram do evento o desembargador Francisco Antonio Paes Landim Filho, Corregedor Geral da Justiça, o juiz José Vidal de Freitas Filho, titular da 2ª Vara Criminal de Teresina, o padre Valdir João Silveira e a diretora da Penitenciária Feminina, dra. Geracina de Olímpio Melo.

Segundo o juiz Vidal, o Conselho da Comunidade de Teresina, que tem por atribuições, estabelecidas na Lei de Execução Penal, visitar, pelo menos, mensalmente, os estabelecimentos penais existentes na Comarca, entrevistar presos, apresentar relatórios mensais ao Conselho Penitenciário e ao juiz da execução, especificando as contas, e diligenciar a obtenção de recursos materiais e humanos para melhor assistência ao preso ou internado, vem sendo um importante canal de comunicação da sociedade com o sistema prisional, através de pessoas voluntárias, que trabalham sem remuneração, prestando uma inestimável contribuição para a reinserção social dos presos, e, por via de consequência, para a redução da violência

Ascom TJ/PI

COMPARTILHAR:

+1

Música do Dia