Parnaíba - PI | Praia da Pedra do Sal | Foto: Gilson Brito

Parnaíba - PI | Praia da Pedra do Sal | Foto: Gilson Brito

Reduzir, reaproveitar, reciclar


Em 2006, esse título deveria ser acrescido de mais um “R” para significar o quadrado mais famoso da seleção brasileira: Ronaldo, Ronaldinho, Roberto Carlos e Robinho. Definitivamente, a relevância dos “Rs” aqui tem o objetivo de tentar salvar o planeta, e não apenas o Brasil que, comprovadamente, não foi salvo pelo seu quarteto mágico.

Virou moda falar em reciclagem como alternativa ao aumento de consumo e de produção. Em alguns países essa medida já está num estágio bastante avançado, grupo do qual o Brasil não está incluído. Faz-se necessário a inclusão imediata para que haja solução para o lixo e tudo que está relacionado a ele.

Mas antes mesmo de se praticar a reciclagem, há dois procedimentos necessários, que não dependem dos cidadãos em geral, mas das autoridades e das empresas. O primeiro “R” seria para reduzir a produção de bens descartáveis, uma exclusividade da indústria de produção, que não tem correspondido nem pelas empresas brasileiras nem pelas multinacionais. Exemplos: o uso de uma toalha de pano em vez de papel, copos de vidro ou de louça para substituir os de plásticos, processos e documentos de papel deveriam dar lugar aos eletrônicos.

Já o segundo “R” preventivo refere-se ao “reaproveitamento” das coisas materiais. De início, a resistência à aplicação desse “R” vem sob a alegação de segurança quanto à higiene. Nesse ponto o Brasil ainda engatinha. E, como de hábito, culpa-se logo o fato de não ter uma lei especificando como deve ser reaproveitado isso ou aquilo. Deveria acontecer uma mudança de hábito antes da lei. Casas e apartamentos deveriam ser construídos com estrutura para reuso de água de pias e de máquinas de lavar, como já se faz em países desenvolvidos.

Fecha-se o ciclo de “R” com o da “reciclagem” que se confunde naturalmente com os demais. Num determinado momento os “Rs” anteriores se esgotam, aí está a fase da reciclagem, praticada de forma parcial pela população. Faltam políticas públicas efetivas para permitir aos cidadãos a entrega do material reciclado. Os munícipes deveriam exigir de forma incisiva que cada prefeitura coloque em prática a reciclagem em toda a cidade, com a retirada do material na residência. Na cidade de Cerquilho, em São Paulo, a coleta de material reciclado ocorre em dias determinados e noutros os orgânicos. Se o morador misturar ou inverter os resíduos, ele recebe uma multa e não é retirado enquanto não for separado.

O conjunto dos verbos reduzir, reutilizar e reciclar deve ser praticado concomitantemente; um não exclui os outros. Eles se complementam e todos são necessários para consolidar a cidadania e a construção de um planeta melhor. Mas para isso acontecer precisa de uma atuação integrada entre pessoas, empresas, ONGs e governos.

Pedro Cardoso da Costa – Interlagos/SP
Bacharel em Direito

COMPARTILHAR:

+1